Amor no lixo

Farlley Derze, 18ago2015, 05:26. Madri, Espanha.

amor no lixo

– Eu gostei de verdade. Foi melhor do que planejei, imaginei ou sonhei.

– Como assim?

– Ah, nós sempre fantasiamos esse momento. A primeira vez é muito importante para a alma feminina. Você foi um gentleman.

 


Era um casal de drosófilas melanogaster. Tinham acabado de se conhecer por acaso ao sobrevoarem a lata de lixo de um apartamento. Caio e Brenda detestavam o apelido genérico dado à sua espécie: “mosquinha do lixo” ou “mosquinha das frutas”. Qualquer cientista sério sabe que as drosófilas não são mosquinhas. Pertencem ao reino animal, à classe dos insetos, da ordem díptera, do gênero drosophila, e com mais de duas mil espécies diferentes catalogadas. Possuem 4 pares de cromossomas e um tempo de vida de 12 dias desde que saem do ovo à vida adulta.

Caio e Brenda não tinham consciência do tempo de vida de sua espécie, mas estranhavam já terem visto algumas drosófilas mortas durante os dias que se mantiveram juntos.

Certo dia combinaram de sobrevoar a cozinha de um apartamento que exalava um aroma de bananas que perfumava a imaginação de ambos. Quando chegaram à cozinha não acreditaram no que viram. Havia bananas de todo tipo numa grande cesta de vime: banana-prata, banana-maçã, banana-figo, banana-da-terra, banana-nanica e banana-ouro. Pousaram numa e noutra como se estivessem em um parque de diversão. Quando saíram de lá, encontraram repouso no para-peito pelo lado de fora de uma janela de outro apartamento do andar de baixo.

De barriga cheia, arrotando e suspirando de euforia pós-prandial, viram o mundo dos humanos lá embaixo. Sirenes de polícia, sirenes de ambulâncias, engarrafamentos, pedestres aos milhares, motores barulhentos, ônibus lotados, motociclistas em busca de brechas no asfalto de verão. De repente Caio pergunta:

– Quantos anos vive um ser humano?

– Onde? Nas montanhas ou nessa confusão urbana?

– E por acaso isso faz diferença, Brenda?

– Claro que sim.

– E como você sabe disso?

– Intuição.

– Ah é?! Então quanto tempo a gente tem de vida?

– Aqui ou nas montanhas?

– Tanto faz ora bolas.

– Pelos meus cálculos, a gente tem algo em torno de 288 horas de vida.

– Isso é sua intuição? Que cálculos são esses, Brenda?

– Eu estou chutando. Óbvio que não dá pra saber. Ninguém sabe quanto tempo se vive.

– E nas montanhas, quanto tempo?

– Ninguém sabe. Ôxe !

– Eu invejo os humanos.

– Por que, Caio?

– Eles fizeram sinfonias.

– Mas fizeram a bomba atômica.

– Fizeram a lâmpada elétrica.

– Mas criaram o revólver.

– Eles falam com Deus.

– Mas negociam com o Diabo.

– Nossa espécie jamais teve um Aristóteles, um Albert Einstein.

– Mas nunca tivemos um Hitler, um Idi Amin Dada.

– Escreveram “As brumas de Avalon”, “Cem anos de solidão”, “Harry Potter”.

– Mas fizeram duas guerras no século XX. Aliás, um paradoxo: o continente onde floresceu a filosofia, o cristianismo e a ciência, foi o mesmo que entre 1910 e 1945 produziu duas guerras sangrentas. Um paradoxo filosófico, religioso e científico.

– Vamos mudar de assunto, quanto pessimismo, hein Brenda !

Coincidentemente, naquele momento, um vento mais forte começou a soprar. Caio e Brenda viram suas asas tremularem a ponto de suas patas perderem a aderência no para-peito da janela. Nuvens escuras se acumularam de uma hora para outra. A janela foi fechada sem que percebessem, enquanto conversavam. Brenda sugeriu que voltassem ao apartamento das bananas, mas era tarde demais. Alguém acabara de fechar a janela por causa dos ventos. Caio voou pelo perímetro da esquadria e instalou-se na parte superior da janela onde estavam. Ficou de cabeça para baixo e gritou “Brenda, venha”. Brenda atendeu ao chamado e ambos ficaram assistindo o mundo escurecer. Vieram as primeiras gotas de uma chuva grossa, e o dilúvio aconteceu. Precisaram fazer um ajuste na posição de modo que a chuva não os atingisse, pois seriam tragados e misturados à tromba d’água que escorria fachada abaixo levando o que estivesse no caminho. Foi necessário que se aproximassem, ficassem mais juntos, num cantinho que os deixava a salvo, literalmente agarrados entre patas e asas enquanto a metrópole se derretia.

No dia seguinte, ao acordarem, Caio quis se desculpar:

– Brenda, me perdoe por ontem.

– Por que?

– Você sabe: eu te abracei demais.

– Eu gostei.

– Sério?

– Foi minha primeira vez, Caio.

– A minha também, Brenda.

– Eu gostei de verdade. Foi melhor do imaginei ou sonhei.

– Como assim?

– Ah, nós sempre fantasiamos esse momento, Caio. A primeira vez é muito importante para a alma feminina. Você foi um gentleman.

Caio respirou aliviado, suas asas se abaixaram como um casulo, seus olhos miraram o mármore do para-peito com um sentimento de orgulho e timidez. Brenda pôs a patinha abaixo do queixo dele e ergueu sua cabeça dizendo: “olha pra mim”. Caio a olhou, ela deu uma piscadela e sorriu. Sem saber como reagir, Caio disse: “estou com fome”, Brenda concordou: “eu também”. O ar soprava uma brisa morna após o temporal do dia anterior. Farejaram numa das janelas abertas um aroma de maçã. Brenda disse: “amooooo esse cheirooooo”. Caio bateu mais forte suas asas musculosas e falou: “vamos ao paraíso meu amor”.

Entraram no apartamento. Um casal de humanos via um filme na TV. Passaram por trás num voo a baixa altura, pelas costas do sofá. Encontraram a cozinha e descobriram que o aroma de maçã não vinha dali. Aliás, a cozinha estava brilhando feito pérola. Nenhuma guloseima exposta. Voltaram à sala e perceberam que o aroma estava mais forte no corredor. Seguiram o rastro até a última porta. Era o quarto do filho do casal. Um adolescente de quinze anos que estava cochilando sentado sobre a escrivaninha, com um livro aberto na mesa, um caderno bastante rasurado, e um notebook. Caio e Brenda não deram nenhuma importância ao cenário e focaram no aroma de maçã que impregnava o quarto. Ao lado do livro aberto havia um pequeno pote transparente. Caio e Brenda pousaram nele, pois estava ali o aroma precioso, delicioso, apetitoso. O pote continha um líquido de coloração clara no fundo. Era vinagre de maçã. O pote estava lacrado na parte de cima com um plástico transparente, que estava ali como uma espécie de tampa, porém havia pequeninos furos que permitiam que o aroma do vinagre se difundisse pelo quarto. Caio e Brenda pousaram sobre o plástico. Juntos escolheram um buraco para penetrar no pote. Brenda passou primeiro. Caio foi logo em seguida. Nos primeiros segundos, enquanto batiam asas no interior, se olharam sorridentes. Todavia, perceberam que não havia nenhuma maçã e o líquido que evaporava os asfixiava. Não tiveram tempo de se olharem outra vez. Ambos enauseados, despencaram desacordados sobre o vinagre. Dormiram para nunca mais despertar.

O adolescente ainda dormia sobre a escrivaninha. Na página aberta do livro, intitulado “Biologia”, se lia em negrito: “Genética” e no subtítulo “Drosófilas melanogaster”. O notebook tinha um vídeo pausado no youtube com uma legenda: “Armadilha para moscas das frutas (drosófila)”.

Comments.

Currently there are no comments related to this article. You have a special honor to be the first commenter. Thanks!

Deixe uma resposta